quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Inclusão: Altas Habilidades - Parte 2

 
Os superdotados estão inseridos nas classes comuns. Muitas vezes, passam despercebidos. Há alunos que, inclusive, embora superdotados, têm rendimento escolar inferior, pois, freqüentemente, manifestam falta de interesse e de motivação para os estudos acadêmicos e para a rotina escolar, ou ainda, por não se ajustarem aos colegas de classe, o que pode desencadear problemas de aprendizagem e de adaptação escolar.
  
Na Escola, se o ensino fosse voltado às reais necessidades do grupo, à criatividade, a situação do superdotado seria menos preocupante. Ele estaria produzindo, não apenas reproduzindo e se entediando em sala de aula. Estaria entre seus colegas, superdotados ou não, sendo respeitado em seu estilo de pensar e aprender, recebendo atendimento de enriquecimento nas áreas que desejasse. 
 Freeman e Guenther (2000), acreditam que o primeiro problema que a criança bem-dotada enfrenta, em sala de aula, é o tempo de espera. Segundo as autoras, ela perde muito tempo, pois, de um modo geral, aprende mais rápido e, desta forma, resolve as situações escolares mais depressa que os colegas, e, como resultado, está sempre esperando que os outros terminem o que já fez.  
Para preencher esse espaço vazio, algumas crianças voltam-se para si mesmas, alienando-se voluntariamente do que está acontecendo em sala de aula, distraindo-se, deixando passar o tempo. Esse tipo de comportamento pode criar um desinteresse por parte do aluno com relação ao trabalho escolar, e acabar baixando sua produção ao mínimo necessário.
Não é raro que a criança superdotada seja até hostilizada, direta ou indiretamente, por alguns professores, quando estes constatam que ela já sabe a matéria a ser ensinada ou até quando domina, em poucos dias, coisas que seus colegas de sala de aula levam semanas ou meses. Como conseqüência, ele se acomoda e produz menos do que é capaz, simplesmente porque está desestimulado. Dessa maneira a criança superdotada acaba precisando de um trabalho educacional fora dos limites da sala de aula, em interação direta com outras crianças bem-dotadas.
“ Uma das condições mais importantes, dentre as várias a serem asseguradas ao professor, para que seu fazer seja consciente, planejado e seguro, é o domínio do saber”(PRIETTO-2003). Tal domínio pode ser considerado como um dos fatores mais relevantes para a melhoria da qualidade do ensino brasileiro.  
 
De acordo com este pressuposto, a formação continuada é entendida como o primeiro passo para a implementação e implantação de qualquer programas de intervenção educacional.
 
Uma das alternativas  de qualificação dos educadores é a  utilização dos espaços de formação continuada, tanto na escola, quanto em encontros e cursos.
A formação continuada visa habilitar professores e profissionais que atuam na áreas da educação para compreender os processos de aprendizagem e os comportamentos característicos dos alunos com AH/S.
Acredita-se que, os professores, de posse das informações necessárias,  se transformem em multiplicadores, além de contribuírem significativamente para a identificação e o atendimento destes alunos.
Evidencio ser de suma importância a elaboração de uma proposta de atendimento que permita ser a porta de entrada para o início da caminhada do atendimento do sujeito com Altas habilidades/Superdotação.
Pois...

“(...) como poderemos medir a extensão de uma sonata que nunca foi escrita, de uma droga com poderes curativos que não foi descoberta ou da ausência de liderança política? As crianças superdotadas são parte substancial das diferenças entre o que somos e o que poderíamos ser enquanto sociedade.” ( VIRGOLIM-2005)

 


0 comentários :

Postar um comentário