quinta-feira, 15 de junho de 2017

MÃE QUESTIONA TAREFA ESCOLAR: 'SE NOSSA CARACTERÍSTICA NÃO ESTÁ LISTADA, A GENTE COLOCA'


Mãe questiona tarefa escolar: 'Se nossa característica não está listada, a gente coloca'
Mãe questiona tarefa escolar: 'Se nossa característica não está listada, a gente coloca'
RIO - Para Mari, uma menina de sete anos que estuda em uma escola privada no bairro carioca da Pavuna, sua mãe é "amorosa", "bonita", "legal" e "forte". Mas, na mesma atividade escolar em que a criança precisou descrever a mãe com suas palavras, as opções para retratá-la fisicamente traziam adjetivos como "alta", "baixa", "loira", "morena" e "ruiva". A antropóloga Marisa Santana, de 38 anos, mãe de Mari, resolveu então adicionar à mão uma opção que estava faltando: "negra".

No Facebook, Marisa compartilhou uma imagem da tarefa e um texto sobre a atividade escolar, feita na semana passada. A postagem foi compartilhada mais de 3,7 mil vezes.

"Este é o exercício da Mari na escola. A atividade era destacar as características da mãe. Dentre as características físicas tem morena, loira e ruiva", escreveu a antropóloga.
"Depois somos nós que vemos racismo em tudo. À propósito, se a nossa característica não está dentre as listadas, a gente vai lá e coloca", completou.

Em conversa com O GLOBO, Marisa contou que acompanha rotineiramente questões étnico-raciais que perpassam a vida escolar da filha — a ponto de ter feito uma reunião com o corpo docente sobre o tema na creche do filho mais novo, de dois anos. Depois da tarefa escolar passada para a filha, a antropóloga se dispôs a ter uma reunião parecida na escola.

— Tenho o exercício cotidiano de provocar esta existência. Na verdade, não ter a característica de uma mãe negra não é espantosa: as crianças negras estão acostumadas a não serem representadas. O silenciamento é o que é normal na sociedade brasileira — aponta Marisa.


Segundo Marisa, ela escreveu uma mensagem na agenda da filha atentando para a falta de opções como "negra" e "gorda" para a professora, que se desculpou e agradeceu pela indicação.

— Eu até brinquei: será que tem tantas ruivas na Pavuna? Diferente de muitas pessoas que estão reagindo mal no meu perfil e escrevendo mensagens me chamando de vitimista, foi muito bacana a resposta da professora — conta.

De acordo com Marisa, a primeira vez que ela se alertou como mãe às questões raciais envolvendo a educação da filha foi quando a menina perguntou, aos 5 anos, se era certo proibir as pessoas de entrar nos lugares por serem negras. A pergunta foi motivada pela fala de uma amiguinha, que disse a Mariana que ela não poderia visitar sua casa pois seu pai não gostava de negros.

— Quando cheguei em casa e vi a tarefa [que pedia para as crianças descreverem as mães], questionei à Mari: você acha que ficou faltando algo? Ela respondeu: 'Não tem pretinha' — lembra a antropóloga, acrescentando que a menina já lida bem com outras crianças que implicam com o seu cabelo black power. — Quando lembro da minha vida escolar, reparo o racismo que moldava o esquecimento dos estudantes nas sutilezas. Por exemplo, o passar a mão na cabeça: quem são as crianças que as professoras escolhem para fazer afagos? Nunca são as negras.

____________

Fonte: oGlobo


0 comentários :

Postar um comentário